Instagram

Follow Me!

  • Home
  • /
  • Tag Archives:  infância
et

5 filmes que eu amei na infância

Essa semana estou nostálgica. O post falando sobre a minha infância e adolescência em Atibaia tem um pouco de culpa disso porque fiquei lembrando de várias coisas gostosas de quando era mais novinha e deu até saudade. Na minha casa sempre fui super incentivada a ler e assistir filmes, e alguns me marcaram pra sempre. Naquela época demorava muito mais pros filmes chegarem aqui no Brasil, então a maior parte é do começo dos anos 80 mas eu só assisti quando já tinha entre 4 e 7 anos (de 90 a 93).

Fiz uma listinha dos cinco filmes que mais amei na infância!

historiasemfim

História Sem Fim
Como disse, meus pais amavam ler e me incentivavam bastante comprando revistinhas, livrinhos e lendo pra mim. Aprendi a ler direitinho com 3 anos então me identificava com esse filme! Bastian é um menino com uma imaginação super fértil que se joga literalmente nas histórias dos livros que lê, vivendo um mundo de fantasia. Meu sonho era voar nas costas do Falcor, o dragão com carinha de cachorro <3

 

MSDSTBY EC032

Conta Comigo
Depois de adulta fiquei muito fã do Stephen King e descobri que esse filme é baseado num conto dele! Tem o River Phoenix pequeno, muito fofo. Conta a história de um grupo de meninos que, nas férias, querem descobrir onde está o corpo de um garoto desaparecido. Amo filmes que falam sobre férias de verão!

 

et

E.T., O Extraterrestre
Você pode pensar que é sobre seres de outro mundo, mas esse é um filme sobre como a amizade de verdade ultrapassa qualquer barreira. Eu era estranha e não tinha muitos amigos quando era pequena então super me identificava com o ET! Hahahaha.

 

muppets

Os Muppets Conquistam Nova Iorque
Esse foi o primeiro filme que chorei. Minha mãe riu de mim e eu falei que era porque tinha feito xixi na calça – de alguma forma mentir que fiz xixi na calça pareceu mais digno do que chorar num filme dos Muppets. Pode dar spoilers num filme que tem mais que vinte anos? No fim, os Muppets voltam pra casa mas a Piggy decide ficar em NY pra tentar a carreira de atriz. Aí quando ela se despede do Caco é triste demais. Meu coraçãozinho de 4 anos não aguentou.

 

elvira
Elvira, A Rainha das Trevas

Não é bizarro que um filme em que uma bruxa maluca chacoalhe os peitos no final tenha feito tanto sucesso entre crianças? Nos anos 90 não existia muito isso de bom senso e esse filme passava quase todo dia na sessão da tarde. Aliás, a atriz que faz a Elvira ainda faz aparições com a personagem até hoje e até foi jurada em um episódio de RuPaul’s Drag Race.

 

E aí, quais filmes marcaram sua infância? 

 

 

 

Atibaia, jurupinga, nostalgia.

Sábado de manhã eu fui pra Atibaia com meus pais e o Chicó. Pra quem não sabe, Atibaia é uma cidade a mais ou menos 70km de São Paulo e foi aonde eu morei dos 6 aos 16 anos. Lá eu cresci, dei meu primeiro beijo, aprendi a tocar baixo, tive banda, fiz shows, pintei o cabelo de rosa e passei por muita merda também. Impossível dizer que Atibaia não faz parte de mim e do que sou – ela é quase tudo o que eu sou, apesar de ficar triste sempre que lembro de várias coisas de lá.

Minha mãe é artesã e queria ir comprar juta pra fazer tapete arraiolo, técnica que ela aprendeu quando eu era criança e a gente morava lá. No fim das contas ela nem achou o que queria, mas a gente passeou e mostrou pro Chicó a minha vida de lá – onde eu saía, as casas que morei, onde andava de bicicleta… Foi bem gostoso, eu tinha esquecido o quanto Atibaia é uma cidade linda, meio de novela, meio de cinema. Mas eu nunca me identifiquei com o marasmo da cidade pequena, preciso de trânsito, metrô, gente falando o tempo todo.

A gente também foi na Vinícola do Nardini, que é bem tradicional de lá e faz a famosa Jurupinga – que lá eles chamam de Jeropiga. Também fazem vinhos incríveis e licores em tonéis gigantescos, tudo tem um cheirinho gostoso de uva e me dá vontade de levar a adega inteira.

Sinto muita falta de ter uma casa lá pra ir em alguns fins de semana, ver alguns – poucos – amigos queridos que ainda estão por lá, tomar sol, nadar e ficar na rede quando está frio. Quem sabe um dia meus pais não voltam pra lá e meus filhos e minha sobrinha possam crescer subindo em árvores e andando de bicicleta na rua como eu cresci.