Instagram

Follow Me!

Locker

Amor não é cadeado.

De um ano pra cá eu precisei mudar completamente o modo como eu vejo a vida e os relacionamentos. Porque cada caso é um caso e a gente nunca sabe o que vai acontecer amanhã. A vida pode reservar muitas surpresas e nem sempre as coisas acontecem do jeito que a gente espera, ou prefere, mas eu tenho certeza que tudo acontece porque tem que ser assim.

Pensando na minha situação hoje, eu vejo como tudo o que aconteceu no último ano (e não foi fácil) foi mais do que necessário pra me ensinar a amar de uma forma que eu pudesse aprender o suficiente pra conseguir estar na situação que estou hoje (com uma pessoa que está em outro país).

Ontem ele estava me contando que quando falou de mim pra uma colega de trabalho, ela perguntou se eu não fico brava por ele estar lá. Ele disse que eu sinto saudade. E é isso. Eu jamais me sentiria brava pela pessoa que amo estar seguindo um sonho e tentando se encontrar – eu fico feliz todos os dias com cada conquista dele, pessoal ou profissional, porque amor é assim. Claro que eu sinto saudade. Claro que às vezes dá ciúme. Claro que eu passo a maior parte do tempo querendo viver todas essas coisas novas ao lado dele, e não apenas recebendo as fotos. Mas não era pra ser assim dessa vez. E quem sabe, mais pra frente, a gente viva coisas novas juntos em outros lugares.

Um dos símbolos mais bizarros de um ‘relacionamento feliz’, pra mim, são os cadeados colocados na Pont des Arts, em Paris, que agora começaram a ser “adotados” por alguns casais em São Paulo também.

O cadeado é, pra mim, o símbolo de tudo que um amor não deve ser. Precisei aprender na marra que amar é deixar ir, e o que é pra ser nosso fica. Que o amor vai além da consumação física, vai além da distância, vai além do que queríamos. Prender a pessoa ao seu lado não faz com que ela seja mais sua.

Que sera, sera. Ninguém é dono de ninguém e nem nunca vai ser. Você sempre está correndo o risco de ficar sozinho a qualquer instante, por qualquer motivo.

Amar é deixar livre. Ficar precisa ser uma escolha. Sua, do outro.
E quando isso acontece naturalmente, tem um sabor muito mais doce.

  • Camila Rocha

    Nossa, já pode tatuar AMOR NÃO É CADEADO? Às vezes a gente quer colocar no bolso quem a gente ama. Eu, pelo menos, tenho esse sentimento de possessão e vou colocar vc num potinho só meu. Mas, toda vez que eu sinto isso, me coloco no lugar da outra pessoa. Se alguém quiser “me colocar no potinho” e me fechar com cadeado, eu saio correndo. MESMO. A beleza do relacionamento é a confiança, o amor, a liberdade. Vamos ser livres juntos, andar lado a lado. Nada de correntes, de cadeado.

  • Rachel

    Esse negócio de controle ao extremo é um veneno para a alma.
    Uma das graças da vida é se libertar disso, e saber que, por mais frio que seja, quem está ao nosso lado tem a liberdade (sim!) de fazer o que quiser, independente do que a gente espera dela. Ser possessivo, ciumento, pentelho, não vai mudar essa realidade. A diferença é o que a gente faz com a nossa liberdade: podemos viver o tormento de imaginar mil coisas, ou simplesmente deixar todo o peso pelo caminho.
    Aprender a não ter tanta expectativa em relação ao outro ajuda a tornar esse caminho menos doloroso. Coisas que a gente vai aprendendo com o que não dão certo pela vida, mas que ensinam mais que as coisas que vieram para de fato serem!